Blog do Cris
 


 

Saluto!

 Minha homenagem não se restringe a esta ou àquela agremiação, mas sim a todos que colaboraram, com muito espírito esportivo e fair play, para dar o "tom" deste magnânimo Campeonato Brasileiro.

   

 

Uma curiosidade: o time sem história, sem passado e sem glórias, que cresceu (?) apoiado na ditadura militar, acaba de comemorar mais um título exatamente no dia que se completam 40 anos da assinatura do Ato Institucional nº 5 (AI-5). Aquele mesmo, que fechou o Congresso Nacional, suspendeu as garantias constitucionais de todo o povo brasileiro, legalizou o confisco de bens dos cidadãos e empresas, cassou a liberdade de expressão, essas coisas.

 

Coincidência? Não acredito nelas.

 

 

Agradecimentos ao Parmerista! pela imagem e ao Cruz de Savóia pela lembrança da data.



 Escrito por Cristiano às 17h29
[] [envie esta mensagem] []




O NÃO

 

  

 

O texto me chegou por e-mail e se encaixa como uma luva na minha linha de raciocínio. Não por acaso é descrito como de autoria de uma colega de profissão, tanto na psicologia como no professorado, Isabel Ferreira Alves de Pinho, presidente do CADeC – Centro de Apoio e Defesa da Cidadania do Rio de Janeiro.

Como na internet é corriqueiro escreverem um texto e atribuí-lo a figuras renomadas para agregar credibilidade, não encontrei a publicação oficial, mas a colega é realmente presidente da instituição descrita.

Enfim, seja quem for o autor, está cobertíssimo de razão.

 

Um primor!!!

 

Criando um Monstro.

O que pode criar um monstro? O que leva um rapaz de 22 anos a estragar a própria vida e a vida de outras duas jovens por... nada?

Será que é índole? Talvez, a mídia? A influência da televisão? A
situação social da violência? Traumas? Raiva contida? Deficiência
social ou mental? Permissividade da sociedade?
O que faz alguém achar que pode comprar armas de fogo, entrar na casa de uma família, fazer reféns, assustar e desalojar vizinhos, ocupar a polícia por mais de 100 horas e atirar em duas pessoas inocentes?

O rapaz deu a resposta: 'ela não quis falar comigo'. A garota disse
não, não quero mais falar com você.
E o garoto, dizendo que ama, não aceitou um não. Seu desejo era mais importante.

Não quero ser mais um desses psicólogos de araque que infestam os programas vespertinos de televisão, que explicam tudo de maneira muito simplista e falam descontextualizadamente sobre a vida dos outros sem serem chamados.
Mas ontem, enquanto não conseguia dormir pensando nesse absurdo todo, pensei que o não da menina Eloá foi o único. Faltaram muitos outros nãos nessa história toda.

Faltou um pai e uma mãe dizerem que a filha de 12 anos NÃO podia namorar um rapaz de 19.
Faltou uma outra mãe dizer que NÃO iria sucumbir ao medo e ir lá tirar o filho do tal apartamento a puxões de orelha.


Faltou outros pais dizerem que NÃO iriam atender ao pedido de um
policial maluco de deixar a filha voltar para o cativeiro de onde, com
sorte, já tinha escapado com vida.


Faltou a polícia dizer NÃO ao próprio planejamento errôneo de mandar a garota de volta pra lá.


Faltou o governo dizer NÃO ao sensacionalismo da imprensa em torno do caso, que permitiu que o tal sequestrador conversasse e chorasse compulsivamente em todos os programas de TV que o procuraram.

Simples assim. NÃO. Pelo jeito, a única que disse não nessa história foi punida com uma bala na cabeça.

O mundo está carente de nãos.
Vejo que cada vez mais os pais e professores morrem de medo de dizer não às crianças.

 
Mulheres ainda têm medo de dizer não aos maridos (e alguns maridos, temem dizer não às esposas).

 
Pessoas têm medo de dizer não aos amigos.


Noras que não conseguem dizer não às sogras.


Chefes que não dizem não aos subordinados.


Gente que não consegue dizer não aos próprios desejos.


E assim são criados alguns monstros.


Talvez alguns não cheguem a sequestrar pessoas. Mas têm pequenos surtos quando escutam um não, seja do guarda de trânsito, do chefe, do professor, da namorada, do gerente do banco. Essas pessoas acabam crendo que abusar é normal. E é legal.

Os pais dizem, 'não posso traumatizar meu filho'. E não é raro eu ver alguns tomando tapas de bebês com 1 ou 2 anos.


Outros gastam o que não têm em brinquedos todos os dias e festas de aniversário faraônicas para suas crias.


Sem falar nos adolescentes. Hoje em dia, é difícil ouvir alguém dizer:
Não, você não pode bater no seu amiguinho.
Não, você não vai assistir a uma novela feita para adultos.
Não, você não vai fumar maconha enquanto for contra a lei.
Não, você não vai passar a madrugada na rua.
Não, você não vai dirigir sem carteira de habilitação.
Não, você não vai beber uma cervejinha enquanto não fizer 18 anos.
Não, essas pessoas não são companhias pra você.
Não, hoje você não vai ganhar brinquedo ou comer salgadinho e chocolate.
Não, aqui não é lugar para você ficar.
Não, você não vai faltar na escola sem estar doente.
Não, essa conversa não é pra você se meter.
Não, com isto você não vai brincar.
Não, hoje você está de castigo e não vai brincar no parque.

Crianças e adolescentes que crescem sem ouvir bons, justos e firmes NÃOS crescem sem saber que o mundo não é só deles. E aí, no primeiro não que a vida dá ( e a vida dá muitos ) surtam. Usam drogas. Compram armas. Transam sem camisinha. Batem em professores. Furam o pneu do carro do chefe. Chutam mendigos e prostitutas na rua. E daí por diante.

Não estou defendendo a volta da educação rígida e sem diálogo, pelo contrário. Acredito piamente que crianças e adolescentes tratados com um amor real, sem culpa, tranquilo e livre, conseguem perfeitamente entender uma sanção do pai ou da mãe, um tapa, um castigo, um não.
Intuem que o amor dos adultos pelas crianças não é só prazer - é
também responsabilidade. E quem ouve uns nãos de vez em quando também aprende a dizê-los quando é preciso. Acaba aprendendo que é importante dizer não a algumas pessoas que tentam abusar de nós de diversas maneiras, com respeito e firmeza, mesmo que sejam pessoas que nos amem. O não protege, ensina e prepara.

Por mais que seja difícil, eu tento dizer não aos seres humanos que
cruzam o meu caminho quando acredito que é hora - e tento respeitar também os nãos que recebo. Nem sempre consigo, mas tento. Acredito que é aí que está a verdadeira prova de amor. E é também aí que está a solução para a violência cada vez mais desmedida e absurda dos nossos dias.

 



 Escrito por Cristiano às 16h48
[] [envie esta mensagem] []




 

Polícia contra polícia?

 

O governador de São Paulo conseguiu o que queria: colocar uma polícia em confronto com a outra. E a mídia, ensandecida, mostrou o campo de guerra que se transformou a Rua Padre Lebret, ao lado do Palácio dos Bandeirantes. Buscavam culpados para o confronto: o PT, o PDT, a CUT, o Presidente Lula, o pré-sal, a crise econômica americana, sim, porque, pasmem, o babaca do Datena até na crise bancária estadunidense botou a culpa. Mas o real responsável, ou melhor, irresponsável pela confusão toda tem apenas um nome: Serra.

Tudo se falou, tudo se especulou, mas nada se noticiou sobre a incapacidade do governo de negociar uma greve que já dura semanas e afeta um serviço público essencial. Nada se falou sobre o fato do Estado mais rico do país pagar os priores salários a policiais e delegados. Nem uma linha sobre a irresponsabilidade do Serra de não receber a comissão dos manifestantes para debater o assunto, porque suas declarações foram de que não negocia com grevista, numa clara ação de anti-democracia reforçada pela imposição da força militar a uma manifestação legítima. Nada sobre os policiais estarem há 14 anos sem reajuste salarial. Isso para os civis, pois segundo um coronel aposentado aqui da minha cidade, em entrevista concedida a uma rádio local, “os policiais militares de São Paulo estão há 18 anos sem reajuste e que esta situação se arrasta desde o desgraçado do Covas. Se nós militares pudéssemos, nos juntaríamos aos civis nessa greve, que é legítima”.

Completar-se-ão 20 anos de má administração e péssima gestão da tucanalha no Estado, com, dentre outras coisas, a segurança pública em frangalhos, e o pulha do governador querendo ser presidente. Pois é...

Mas tem um dado curioso nessa história, levantado por um colega de botequim. A política de segurança pública da tucanalha consiste em basicamente cantar o pau na ralé em benefício da elite, mas, concomitantemente, pagam um salário miserável a quem deveria fazer o serviço. Com certeza não colocaram o tico e o teco para funcionar, já que, por essas e outras, a sociedade ideal deles está fadada ao caos e à implosão. Taí o retrato de quem não tem competência nem para administrar condomínio de prédio.

 

 



 Escrito por Cristiano às 13h17
[] [envie esta mensagem] []




A lei da selva

 

Curiosa é a relação que desenvolvemos com os bichos que domesticamos. E digo isso não porque assim o fizemos, mas porque é uma relação nos surpreende a cada dia, a cada momento. Eu sempre tive muito contato com animais de estimação, desde muito pequeno minha casa sempre foi habitada por cães, aves, roedores e afins. Menos gatos. Meus avós maternos, com quem convivi desde o nascimento diariamente até meus 25 anos, não eram muito partidários de felinos. E por uma série de informações que a cada dia vão sendo refutadas uma a uma. Muito mito, pouca verdade. E a relação com os bichos nunca foi muito próxima, emocional. Era muito mais razão do que qualquer outra coisa.

Enfim, quando casei, já levei um felino na bagagem, que veio com a noiva. Pouco depois vieram mais três e entre esses, um escolhido a dedo por mim: Benedicto. Gato grande, como eu queria, mas dócil e carinhoso. Quando mudamos de cidade, os quatro chegaram a dezesseis. Entre mortos, desaparecidos e doados, ficaram oito. Até ontem, quando três cachorros, que pelo que aparentavam zanzavam pelas ruas há tempos sem comer, viram no Benê o fim de um sofrimento.

Bene não era covarde, aliás, talvez tenha sido este seu maior erro. Convivendo com uma Dogo Argentino há dois anos dentro do mesmo espaço e com um Dog Alemão de vizinho, nunca “arregou” para ninguém. Mas ontem pela manhã eram três contra um e a lei do mais forte prevaleceu. Quando saltei da cama, às 6h30, pelo estardalhaço feito pela Brancca, a Dogo, e um único miado desesperado, Benê já era arrastado pela rua como presa do predador. Com uma única marca de mordida na parte traseira do corpo, Benê muito provavelmente tentava dar conta de um dos cães quando foi atacado por um outro, por trás, covardemente. Com os gritos de desespero da Lu correndo pela rua atrás do cachorro que arrastava o gato, o soltou e fugiu. Fui atrás e os encontrei na rua de trás à minha. Tive a oportunidade de ir à forra com o cachorro que acabara de matar o meu gato, mas faltou-me coragem para agir. Ele agiu por instinto, estava nitidamente com fome. Voltei, chorei, orei e sepultei-o junto de suas outras duas irmãs que também já foram desta para outra.

A curiosidade desta história toda é que estou aqui escrevendo sobre um momento muito pesado, muito denso que vivencio e nem de longe pensei que aconteceria. Minha racionalidade com animais de estimação foi, definitivamente, deixada para trás. O vínculo que se estabelece com o animal que se cria é muito mais estreito do que se imagina. Talvez seja fruto de uma humanização ou uma carência afetiva. Mas pára na porta da rua. Do lado de lá a lei da selva ainda fala mais alto.

 

 Benedicto (*2003-2008)



 Escrito por Cristiano às 12h15
[] [envie esta mensagem] []




Perdeu, playboy!!!

 

 

Do blog do Di Lajlo, da ESPN:

 

“WTorre nega ajuda a SPFC e Corinthians

12/08/08 12:56

 

A empresa de engenharia WTorre, que tem contrato com o Palmeiras de parceria para a construção na nova arena Palestra Itália, negou ajuda ao São Paulo. A diretoria do time do Morumbi tentou agendar uma reunião com representantes da empresa no sentido de tentar um acordo para a construção de um edifício-garagem (estacionamento) nas proximidades do estádio. Há uma forte briga nos bastidores entre palmeirenses e são-paulinos pela sede dos jogos da Copa de 2014, na capital paulista. Como já existe um contrato assinado com o Palmeiras para os próximos 30 anos, a WTorre não quis sequer se reunir com os dirigentes do tricolor.”

 

 

Pois é. Começa a bater um certo desespero na galera. Hehehehe!

 

ARENA NELES, VERDÃO!!!!



 Escrito por Cristiano às 17h52
[] [envie esta mensagem] []


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
 
 
 


BRASIL, Sudeste, CARAGUATATUBA, Homem, Praia


 





 Parmerista!
 Sivuca
 Prosa e Poesia
 Blog do Mino
 Rádio Kiss
 Luis Nassif
 Luis Carlos Azenha
 Menina da Lua
 Verdades do Pan
 Gazeta do mundo cão
 Blog do Capitão Nascimento
 Ninho da Coruja
 Planeta Palmeiras
 Terceira Via Verdão
 Imprensinha Gambambi
 Conversa Afiada



 Dê uma nota para meu blog